Mídia, Memória e Ditadura na América Latina é tema da segunda mesa da Alcar Sul

Na manhã do dia 26 houve a segunda rodada de debates do 7º Encontro Regional Sul de História da Mídia, no salão Imembuí na Reitoria da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Pesquisar sobre a história presente é um imperativo no contexto político atual, assegurou Norma Alvares, professora de história da Universidad de Misiones, na Argentina.  A pesquisadora da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Cárlida Emerim, ao falar da relação entre a televisão e o AI5 no Brasil, lembrou uma frase do jornalista Alberto Dines: “os anos de chumbo têm sido insuficientemente estudados na academia”.  Emocionada, a pesquisadora ressaltou a importância de se contribuir para uma sociedade democrática de direito e prestou  homenagem à professora da Unipampa, Mara Regina Rodrigues Ribeiro, que faleceu no último dia 14. “Mara Regina vive, Mariele vive, Vladmir Herzog vive!”.

Após os debates, a professora Ada Cristina Machado da Silveira (UFSM) preparou uma homenagem em memória a professora Mara Regina, com a presença do Pró-Reitor de Extensão da UFSM, Flavi Lisboa, dos palestrantes, do orientador de doutorado de Mara, professor Marcelo Rocha (UNIPAMPA), amigos e familiares.

Comunicação, História e cidadania no Brasil, na Argentina e na Bolívia nos últimos 30 anos

A primeira mesa de debates da Alcar Sul 2018 trouxe os diferentes contextos históricos em que a comunicação se desenvolveu nos países da América do Sul. As pesquisas  realizadas pela professora Virgínia Pradelina da Fonseca (UFRGS), pelo professor Carlos García da Rosa (Universidad Nacional de Misiones – Argentina) e pelo professor João Ivo Puhl (UNEMAT) mapearam as fases da imprensa na Argentina, no Brasil e na Bolívia ao longo das ultimas três décadas. A pesquisadora da UFRGS dividiu o jornalismo brasileiro em dois modelos: o industrial, a partir da década de 1950, e o pós-industrial, a partir da última década do século XX. “Se na primeira fase o jornalista tinha o controle da notícia, os novos gatekeepers hoje são os algoritmos das plataformas de mídias sociais”, afirma. O argentino Carlos García Rosa acredita que o mercado é quem tem regulado a vida pública na maioria do continente americano e ressalta o efeito nocivo dos conglomerados midiáticos. O historiador João Ivo Puhl lembrou que a imprensa local presente na fronteira entre o Brasil e a Bolívia corrobora com a invisibilidade de povos indígenas que habitam a região, como os Chiquitos, adotando a visão dos fazendeiros sobre a posse da terra. “Os Chiquitos bolivianos conquistaram reconhecimento territorial e político desde 1992. No Brasil, eles ainda lutam para ser reconhecidos como indígenas”, destacou.

 

Abertura da Alcar Sul: música e reflexão sobre memória

tubasO coral de trombones e tubas da Universidade Federal de Santa Maria abriu o 7º Encontro Regional Sul de História da Mídia, no salão Imembuí da Reitoria. Logo após a apresentação musical,  a mesa de abertura composta pela presidente da Alcar, Ana Regina Rêgo (UFPI), pela coordenadora local do evento, Sandra Rúbia da Silva (UFSM), pelo Pró-reitor de extensão da universidade, Flavi Lisboa e pelo coordenador do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFSM, Cássio Tomaim, saudaram os participantes e enfatizaram a importância de um encontro de pesquisa histórica neste momento de ameaça ao estado democrático de direito no país. “É nosso dever usar a memória para a libertação e não para a escravidão. Nossa memória não pode ser manipulada; é preciso trabalhar o passado com responsabilidade”, destacou Ana Regina Rêgo.

fotos25_10_2fotos25_10

Cicília Peruzzo fala de midiativismo e movimentos sociais como modos de resistência cidadã no jornalismo

A pesquisadora Cicília Peruzzo (UAM) trouxe o tema “Movimentos Sociais e Cidadania Comunicacional: da imprensa alternativa dos anos da ditadura militar ao midiativismo da atualidade”  na conferencia de abertura da Alcar Sul 2018, no salão Imembuí da Reitoria da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) na noite desta quinta-feira, 25/10.

Historicamente, as experiências midiáticas de resistência passaram por vários formatos desde a ditadura militar. Elas conformaram o que se chama de midiativismo, ou seja, o ativismo nos meios de comunicação. Se hoje as mídias sociais são o principal canal de expressão da crítica, os jornais impressos e as rádios piratas foram instrumentos de denúncia durante a ditadura militar brasileira, segundo a a professora da Universidade Anhembi Morumbi. “Se hoje temos o cyberativismo, ontem tínhamos o panfleto”, afirmou. Na oportunidade, destacou ainda que o midiativismo é um fenômeno coletivo, de cunho político, contestador, horizontal e intenso.

Para ela, o jornalismo alternativo não pode ser comparado a qualquer tipo de manifestação que se encontra fora do circuito hegemônico, mas deve ser pensado como uma oportunidade de exercício da cidadania. “Devemos lembrar que a própria internet é muitas vezes palco de debates públicos baseados em notícias falsas e o quanto isso pode ser maléfico à sociedade”. Cicília Peruzzo falou ainda que os movimentos sociais são as forças que ajudam a transformar e a qualificar o papel do cidadão em contextos de luta pela liberdade e igualdade.

peruzzo_25_10

TAXA ESPECIAL PARA ALUNOS DE GRADUAÇÃO DA FACOS (UFSM)

Aprovada modalidade de inscrição especial para os alunos de graduação da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria (FACOS/UFSM) interessados em participar do 7º ENCONTRO REGIONAL SUL DE HISTÓRIA DA MÍDIA – ALCAR SUL 2018– como ouvintes, sem apresentação de trabalho.

O custo é de 30 reais. Para efetuar a inscrição, acesse o site do evento até quarta-feira, 17 de outubro, pelo link abaixo e escolha a opção não- sócio do ALCAR:

https://alcarsul2018.wordpress.com/inscricao/

Ao completar a inscrição,  enviar e-mail para o prof. Leandro Stevens (leandrostevens@gmail.com) com o comprovante de pagamento e informando participação como aluno de graduação FACOS/UFSM, modalidade ouvinte, sem apresentação de trabalho.

A inscrição dá acesso à todas as atividades do evento, incluindo as oficinas que serão realizadas na tarde do dia 25 de outubro, das 14h às 16h. Para se inscrever nas oficinas também é muito fácil: basta enviar e-mail para alcarsul2018@gmail.com indicando a oficina que quer participar, juntamente com seu nome completo. Mais informações sobre o programa de cada oficina em https://alcarsul2018.wordpress.com/oficinas/

Profa. Dra. Sandra Rubia da Silva (UFSM)
Coordenadora Alcar Sul 2018

Toda a programação do 7º ENCONTRO REGIONAL SUL DE HISTÓRIA DA MÍDIA está disponível no site: https://alcarsul2018.wordpress.com/programacao

PRORROGADO PRAZO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS

[PRORROGAÇÃO DE PRAZO]

A nova data limite para submissão de trabalho para o VII Encontro Regional Sul de História da Mídia – Alcar Sul – é 8 de outubro, segunda-feira.

O evento ocorrerá na UFSM, na  cidade de Santa Maria/RS, nos dias 25 e 26 de outubro de 2018. As inscrições podem ser efetuadas após o aceite formal dos trabalhos. Lembramos a todas e todos que trabalhos com temáticas contemporâneas também são bem-vindos,  já que contemplam a perspectiva da história do tempo presente. Participe!

Seis oficinas confirmadas na Alcar Sul 2018

[Oficinas]

Gênero, documentário, telejornalismo, publicidade, redes sociais e jornalismo institucional são alguns dos temas das seis oficinas programadas para a Alcar Sul 2018. As atividades acontecem dia 25 de outubro, das 14h às 16h e são ministradas por profissionais com expertise nas áreas contempladas.

Para se inscrever é muito fácil: basta enviar o nome completo para alcarsul2018@gmail.com. Serão oferecidas de 15 a 20 vagas somente para quem está inscrito no evento e a confirmadas mediante pagamento da inscrição como ouvintes ou palestrantes. Participe!

Mais informações sobre o programa de cada oficina em https://alcarsul2018.wordpress.com/oficinas/

 

Cicília Peruzzo fará palestra de abertura

cicilia_entrevista_1130 anos da constituição de 1988 e 50 anos do AI5: Comunicação, História e Cidadania na abertura da Alcar Sul 2018

Para a Abertura do 7º Encontro Regional de História da Mídia – Alcar Sul 2018, que acontece no dia 25 de outubro na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), a pesquisadora brasileira, Cicília Krohling Peruzzo (UAM) foi convidada à fazer uma importante reflexão sobre as três décadas de vigência da constituição cidadã e meio século do mais severo ato institucional imposto pela ditadura militar no Brasil em 1968, o AI5. Num momento político de disputas eleitorais e da volta de um discurso imaginado sobre a ditadura, se faz necessário debater as questões que envolvem o direto à livre expressão dos cidadãos e da imprensa, a manutenção dos regimes democráticos e dos direitos civis. Com o tema “Movimentos sociais e cidadania comunicacional: da imprensa alternativa dos anos da ditadura militar ao midiativismo na atualidade”, Cicilia Peruzzo vai colocar em discussão a complexa tarefa dos media no enfrentamento destes desafios que permeiam a história atual do nosso país.

Bio – Cicília Krohling Peruzzo (UAM)

Cicília Peruzzo é docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo, com pós-doutorado pela Universidad Nacional Autónoma de México. Fez mestrado em Comunicação Social na Universidade Metodista de São Paulo e graduação em Comunicação Social pela Faculdade de Comunicação Social Anhembi. Pesquisadora da área da Comunicação nas linhas popular, comunitária, alternativa e mídia local, além de Relações Públicas, na perspectiva crítica e dos movimentos sociais. Foi coordenadora do Grupo de Trabalho Comunicação e Culturas Populares da Intercom, do Grupo de Trabalho Comunicación Popular, Comunitária y Ciudadanía da Asociación Latinoamericana de Investigadores de la Comunicacíón (ALAIC) e do GT Comunicação e Cidadania da Associação Brasileira de Programas de Pós-Graduação em Comunicação (Compós). Coordenou o Núcleo de Estudos de Comunicação Comunitária e Local (COMUNI) e o Grupo de Pesquisa Comunicação, Responsabilidade Social e Cidadania (Abrapcorp). É coordenadora executiva e membro da equipe de coordenação do GT Comunicação e Cidadania da AsiIbercom (Associação Ibero-Americana de Comunicação). Presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores e Comunicadores Populares em Comunicação Comunitária e Cidadã (ABPCom). Pesquisadora PQ 1C do CNPq. Membro de Comitê de Assessoramento de Artes, Ciências da Informação e Comunicação (AC) do CNPq (2016-2019).

ABERTURA OFICIAL

Dia 25 de outubro de 2018 (quinta-feira)

Abertura oficial do 7º Encontro Regional de História da mídia – ALCAR SUL 2018

Conferência de abertura

Local: UFSM – Salão Imembuí – Reitoria

Horário: 18h